Vida Fluida Desalma no Amar

Vida minha

Vem como riacho

No leito do tempo

Fio d’água miúdo de outrora

Recebe em si

O volume alheio

Dos afluentes amores

Que se unem num só

Vida que se faz rio

Que percorre gargantas estreitas

Mergulha em saltos incríveis

Renasce mansa, no rebojo do poço

Lá adiante

A cada curva que faz

O leito se modifica

A vida é fluída

Sem vocação pra represa ou açude

Sem merecer canalização

A vida é fluída e ensina

Quem busca o oceano

Unidade que somos

A vida é fluída

Me deixo levar

Não ação confiante

Inércia distante

Satisfação